Chega o incauto e ainda chegam as alergias

23 de janeiro
Chega o incauto e ainda chegam as alergias 1

Chegam os dias radiantes de temperatura adorável, as árvores se povoam de folhas, das plantas, das flores, e no meio desse horizonte campestre, podem chegar até as alergias.

Uma hipersensibilidade não necessariamente é gerado por uma questão climática, mas, se é deste modo também pode correr no verão, outono ou frio.

No entanto, costuma-se a remexer na primavera, porque um dos autores deste transtorno são os pólens: as células reprodutoras das plantas que abundam nesta estação do ano.

Para poder entender melhor o que alcahuetería esse problema que pode afetar tanto crianças, adolescentes, adultos e idosos do sexo feminino e masculino, é recomendável limitar, primeiramente, o que se compreende por reação.

O que é uma hipersensibilidade?

Uma reação, além chamada reação de alergia, é um parecer excessiva do sistema imunológico, agente das defesas do organismo, no tempo em que entra em contato com certas substâncias, chamadas de alérgenos.

Em todas e cada uma das pessoas o tempo que o sistema inviolável adverte uma substância como estranha, anula, por meio de mecanismos chamados de compreensão. Mas em pessoas alérgicas não ocorre desta forma, mas para compensar a essas substâncias, o sistema imunológico produz anticorpos chamados imunoglobulina E (IgE) contra o alérgeno. Por seu lado, esses anticorpos gerados em umas células chamadas mastócitos, a emancipação na corrente encarnado de algumas substâncias químicas, entre as que se encontra a histamina para se defender aquilo que sente como um “assaltante”.

Justamente a autonomia dessas substâncias químicas é a que provoca as reações alérgicas que podem afetar o focinho, garganta, olhos, pele, pulmões e/ou canon corante direto. Desta forma, toda vez que o indivíduo se expõe a esse alérgeno, é acionado exatamente a mesma reação.

Causas e sintomas

Através dos principais causadores ou alérgenos são:

  • O pólen sementes, manzanillo, arizónicas, banana de sombra, parietaria e caule) que são as que mais geralmente geram alergias na primavera, principalmente em Peñíscola Ibérica. Mas mesmo que os grãos também o geram constrangimento e outono e a parietaria o que gera todo o ano. Os sintomas mais freqüentes desta hipersensibilidade são: rinite alérgica, que provoca espirros, irritação do nariz, olhos e boca e gotejamento ininteligível.
  • Fungos ambientais que liberam esporos, que são substâncias microscópicas, que no tempo que se respiram geram sintomas alérgicos relacionados com a rinite (doença que afeta o tegumento ininteligível gerando coceira, espirros, secreções nasais), dispneia (capítulos de problema respiratório associados com obstrução na garganta, vaias ao respirar e impressão de falta de ar) e conjuntivite (abcesso da membrana).
  • Ácaros de poeira ou familiares que são insetos microscópicos cujo desenvolvimento é gerado em ambientes quentes e úmidos. Seus sintomas são exatamente os mesmos do que de rejeição do pólen, mesmo ainda podem gerar catarro e sinal sonoro de peito.
  • Urina de animais como cães, gatos, cavalos, roedores. Geram exatamente os mesmos sintomas que a rejeição do pólen, além de provocar sinal sonoro de peito e obstrução da garganta.
  • Picadas de vespas, abelhas e formigas. Causam coceira, o calvário e também flemón no local da picada ou sobre uma área maior. Ainda é possível gerar hipersensibilidade ou seja, uma reação alérgica grave em todo a substância e pode ser potencialmente mortal.
  • Certos comestíveis como ovo, frutos do mar, cereais, caseína, amendoim ou amendoim, nozes, bombom, soja. Produzem erupção, efeito de pressão no tragadero, abcesso de língua ou lábios, rouquidão, náusea, vómito, cagalera, comichão cobrir apito do peito e anafilaxia.
  • Determinados medicamentos de venda com fórmula como a penicilina e de venda sem prescrição. Sua sintomatologia é caracterizada a partir de erupções cutâneas e urticária inclusive chegar à anafilaxia.
  • Borracha ou borracha natural; cazuz venenosa e o carvalho contaminado. A rejeição a este produto, e estes vegetais produzem coceira na pele, erupção avermelhada, bolhas e pode também provocar hipersensibilidade.

Prevenção e Tratamento

Junto a esclarecer o que é cada vez mais comum este tipo de transtorno. Nos Estados Unidos existem cerca de 50 milhões de norte-americanos, incluindo pequenos que têm algum género de reação. Em Portugal são cerca de 8 milhões de pessoas alérgicas ao pólen.

Por essa razão, há que ter algumas cautelas.

Antílope o sentimento de ser alérgico a primeira coisa é identificar o alérgeno, que também pode ser alérgico a mais de um ao mesmo tempo.

Uma forma de saber é por meio de uma amostra de sangue que vai ensinar eosinófilos em quantidade, que é um gênero de glóbulo branco que aumenta enquanto as reações alérgicas.

Outra forma é por meio de prova cutânea radioalergoabsorbente (RAST), que mede as concentrações de anticorpos IgE no sangue de um determinado alérgeno. Isso aliança em casos de reações alérgicas na pele ou rinite alérgica sazonal.

Evidentemente que, no momento em que se sabe a causa de rejeição, se débito contornar o contato com o alérgeno. E caso tenha sucesso igual, vai dever perguntar com um médico que provavelmente receitar um anti-histamínico. Também pode aconselhar imunoterapia ou a chamada vacina para a rejeição.

Este artigo foi revisado por: Ava Gina 🏆 (1)
23 de janeiro